Wednesday, June 27, 2007

Ode à IRA


"Um dos Sete Pecados Capitais, a IRA, que veio do latim Iram, é um intenso sentimento de raiva, ódio, rancor, um conjunto de fortes emoções e vontade de agressão geralmente derivada de causas acumuladas ou traumas. Pode ser visto como uma cólera e um sentimento de vingança, ou seja, uma vontade freqüentemente tida como incontrolável dirigida a uma ou mais pessoas por qualquer tipo de ofensa ou insulto."

Por que será que as pessoas andam tão enraivecidas hoje em dia? Fui dar um passeio na Leitura do BH Shopping hoje e, se fosse contar os empurrões e trombadas que levei, perderia a conta. E ninguém nem pede descullpa mais. É raiva reprimida somada à falta de educação. Dá nisso.
Quando chego no estacionamento, perto do meu carro vejo um outro com um bilhete colocado no limpador de para-brisa:

"Você faz jus à fama do brasileiro de ser sem educação, prepotente e filho da puta. A vaga é p/ 1 carro, babaca!"



Nossa, que pessoa irada! Pra quê isso? Fiz questão de tirar fotos do bilhete e do carro, que, na minha opinião, nem estava tão mal estacionado assim.



Pensemos juntos, SE o carro estivesse estacionado dessa maneira, aí sim eu entenderia a ira do bilheteiro. Isso aí é que é filhadaputagem!



Se a gente for pensar bem, quem foi "sem educação, prepotente e filho da puta" foi o próprio autor do bilhete, que despejou sua IRA e frustração em alguém que tem pouca ou nenhuma culpa. Se ele escreveu aquele bilhete irado pro cara que estacionou A RODA em cima da linha divisória, imagina se fosse aquele que parou no meio das duas vagas? Quebraria os vidros? Pixaria o carro? Arranharia a lataria? Esvaziaria os pneus? Tacaria fogo?

C'est la merde de la vie.



UPDATE: Linka de lá, linka de cá. O feioso postou no blog dele um comentário sobre meu post, ta aqui o link.

Homem que prometeu casar após formatura é reprovado pela 38ª vez

Indiano tenta concluir o segundo grau desde 1969.
Fazendeiro diz que desta vez a culpa foi da prova de matemática.


* * *

Esse é dos meus! hahahah
Pelo menos a desculpa dele de 'só me caso depois que me formar' é melhor que a minha :P

Tuesday, June 26, 2007

Mina

"Everything I know I learned from my cat:
When you're hungry, eat.
When you're tired, nap in a sunbeam.
When you go to the vet's, pee on your owner."

Sunday, June 24, 2007

Action Cat

Vi a referência pra esse site de cartões no blog do Kenji e adorei!!!
Olha só esse que legal:

Saturday, June 23, 2007

Imagini VisualDNA

My Flowers


"Flowers have an expression of countenance as much as men or animals. Some seem to smile; some have a sad expression; some are pensive and diffident; others again are plain, honest and upright, like the broad-faced sunflower and the hollyhock."
Henry Beecher



"Flowers are the sweetest things God ever made, and forgot to put a soul into."
Henry Beecher



"Earth laughs in flowers."
Ralph Waldo Emerson



"I'd rather have roses on my table than diamonds on my neck."
Emma Goldman



"For myself I hold no preferences among flowers, so long as they are wild, free, spontaneous. Bricks to all greenhouses! Black thumb and cutworm to the potted plant! "
Edward Abbey



"Bread feeds the body, indeed, but flowers feed also the soul."
The Koran

Wednesday, June 20, 2007

Æon Flux



"I'm commandeering your libido under Monican aegis. This is an authorized police action, lover. You're mine."

Tuesday, June 19, 2007

Grupo Corpo

Espetáculos Parabelo e Lecuona

O Corpo, que completa 32 anos de carreira e, somente em 2006, excursionou por 12 países diferentes, volta a Belo Horizonte após uma turnê inédita pelo interior de Minas. As apresentações começaram no final de abril deste ano em Poços de Caldas e percorreram todas as regiões do estado, alcançando mais de 14 mil pessoas com ingressos esgotados em todas as cidades.


Escrever na língua nativa a palavra balé (assim, com um ele só e acento agudo) tem sido a busca consciente e obstinada de Rodrigo Pederneiras desde o antológico 21, de 1992. A inspiração sertaneja e a transpiração pra lá de contemporânea da trilha composta por Tom Zé e José Miguel Wisnik para Parabelo, de 1997, permitiram ao coreógrafo do Grupo Corpo dar vida àquela que ele mesmo define como a "a mais brasileira e regional" de suas criações.

De cantos de trabalho e devoção, da memória cadenciada do baião e de um exuberante e onipresente emaranhado de pontos e contrapontos rítmicos, emerge uma escritura coreográfica que esbanja jogo de cintura e marcação de pé, numa arrebatadora afirmação da maturidade e da força expressiva da gramática construída ao longo de anos pelo arquiteto de Missa do Orfanato e Sete ou Oito Peças para um Ballet.

A estética dos ex-votos de igrejas interioranas inspira Fernando Velloso e Paulo Pederneiras na composição dos dois painéis, de 15m X 8m, que dão sustentação cenográfica ao espetáculo. Com a intensidade das cores velada por um tule negro e revelada somente no espaço exíguo e imperativo das sapatilhas, a figurinista Freusa Zechmeister cria o jogo de luz e sombra que veste os bailarinos na primeira parte de Parabelo, enquanto na reta final e explosiva do balé as malhas se libertam do véu, alardeando a temperatura jubilosa e alta de suas cores.


Amores ardentes, vorazes volúpias, ciúmes nefastos, corações partidos, saudades brutais, desprezo, rancor, indiferença... Com letras que beiram o kitsch e a construções melódicas estonteantemente belas, o romantismo rasgado das canções de Ernesto Lecuona (1895-1963) havia capturado o coração bailarino do coreógrafo Rodrigo Pederneiras em meados dos anos 80. Duas décadas depois, em 2004, o Grupo Corpo rendia-se à genialidade do maior ícone da música cubana de todos os tempos e decidia abrir uma exceção à regra estabelecida em 1992 de só trabalhar com trilhas especialmente compostas para colocar em cena o balé que leva seu nome: Lecuona.

Uma vertiginosa seqüência de 38 minutos de pas-de-deux e uma única formação de grupo, criadas por Rodrigo Pederneiras sobre doze doridas canções de amor e uma valsa do célebre autor de Siboney emprestam a Lecuona um caráter absolutamente singular e diferenciado das demais criações do grupo. Esbanjando sensualidade, a tradução visual e cênica das canções de Ernesto Lecuona ganha com cada casal de protagonistas a sua própria cor. O cenário de luz criado por Paulo Pederneiras em parceria com Fernando Velloso delimita o espaço cênico através de cubos luminosos monocromáticos, que deslocam-se na caixa-preta conforme o vai-da-dança do par romântico da vez.

Dominadores, os rapazes entram em cena sobre sapatos sociais de verniz, envergando camisas, camisetas ou regatas e calças de cós, em diferentes matizes de preto. Em vestidos vaporosos, com fendas e decotes variados, as fogosas damas de Lecuona sobem em saltos de 4,5 a 9 cm e colorem-se, dos pés à cabeça, com uma única cor, de tom invariavelmente quente, que dialoga com a matiz de luz definida para acompanhar o casal. Nos pouco mais de dois minutos da valsa final, um gigantesco cubo de espelhos interpõe-se à cena, e, dentro dele, seis pares de bailarinos (elas, agora, portando longos e esvoaçantes vestidos brancos) multiplicam-se no jogo de espelhos, transformando o número de encerramento em um grande e luminoso baile de tempos que não voltam mais.

* * *


Como não podíamos tirar fotos dentro do espetáculo, tiramos de fora! Tia Lúcia e eu, primeironas da fila, esperando as portas se abrirem!

MA-RA-VI-LHO-SO!

Não preciso comentar mais nada.

Sunday, June 17, 2007


"You were once wild here. Don't let them tame you."
Isadora Duncan

Friday, June 15, 2007

"Eu só domino a língua dos outros.
A minha faz de mim o que quiser."

Karl Kraus

just another sleepless night


are you experienced?

little wing


(Jimi Hendrix)

Well shes walking through the clouds
With a circus mind thats running round
Butterflies and zebras
And moonbeams and fairy tales
Thats all she ever thinks about
Riding with the wind.

When Im sad, she comes to me
With a thousand smiles, she gives to me free
Its alright she says its alright
Take anything you want from me, anything
Anything.

Fly on little wing,
Yeah yeah, yeah, little wing

Thursday, June 14, 2007

Wednesday, June 13, 2007

Hoje teve tortura de Hitler



Ou ié, o bigodim de Hitler ataca novamente!

Esse é um dos meus posts que só quem tá por dentro do assunto entende.
E quem não tá, pelo menos tem o vídeo do Monty Phyton (legendado em chinês, sorry) pra ver :D

Você é o que come?



Eu sou!!
nham!

* * *
Resultado do teste que eu fiz aqui:

"Aqui nós apresentamos o seu cardápio. Ele é bem variado. De maneira geral você não pensa no futuro, prefere viver o agora e aproveitar cada dia. É muito preocupado e se priva das coisas por excesso de cuidado. Tudo na sua vida tem que ser belo, doce e gostoso. Não se preocupa tanto com a beleza exterior e, sim, com a essência das coisas. Faz o estilo romântico e não troca um momento a dois por nada desse mundo. Encara a realidade de frente e procura manter pés no chão.Tem mania de complicar tudo e transforma um problema pequeno numa coisa gigantesca. Acredita que a felicidade está nas coisas simples da vida. É uma pessoa que prefere estar em contato com a natureza. Fica ruminando seus problemas por dias, sem conseguir resolvê-los."

folgata


Quentinho e ainda faz vruuuum.
Precisa mais?

(Foto tirada com a minha lindíssima câmera nova, uma Mitsuca ds 6073BR)

Tuesday, June 12, 2007


Dia dos namorados com um fiapo de lua minguante, só pra combinar com meu fiapo de bom humor.

Monday, June 11, 2007

insomnia


Já terminei um livro, The Last Juror, e já comecei outro, The Summons, os dois do John Grisham.
Já tomei banho, mais leite quente e nada.
Saco.

Pensamentos Imperfeitos


Lembram que eu tinha dito que estava dormindo demais, que nem aquele alemão?
Boizé, agora eu voltei a minha marcha normal.
Meu organismo já se acostumou com o Trileptal, eu tô com a mania controlada, mas a depressão tá vindo com tudo e perdeu os freios.
É, meu copo agora tá 'meio-vazio'.
É um saco esse negócio de dormir tarde e acordar tarde. E de viver de mau humor e ficar super-sensível. Não posso nem ver Grey's Anatomy sem chorar! Não posso nem conversar com ninguém sem fazer uma tempestade em um copo d'água por causa de coisas ridículas!
Eu quero dormir cedo e acordar cedo! Quero mudar! Quero tomar um solzim na cara ao invés de lua! Quero poder controlar MAIS meus humores.
E o remédio que a médica me passou pra dormir, Sonebom, parece que não tá fazendo efeito.
Tomei às 10 da noite e até agora nada.
Vi aquele filme do Al Gore, An Inconvenient Truth (interessante, btw), tomei chá de camomila, leitinho quente, deitei na cama com a gata enrrolada nos pés e nada do sono chegar.
Apelei e vim pro computador me distrair.
Minha avó diz que eu espanto o sono por causa dos meus pijamas e das minhas pantufas, hehehe.
Quem me conhece sabe que meu guarda roupa é bem diversificado (pra não falar maluco), e que o que ela diz pode ser verdade; eu mesma espanto o sono.
Quanto mais eu olho pro relógio e vejo as horas da madrugada passarem, mais eu fico ansiosa. Quanto mais ansiosa eu fico, mais a probabilidade de eu conseguir dormir cai.
É, tá na hora de ligar pra médica e começar com anti-depressivo, antes que eu vire de novo uma criatura noturna de pele amarela, olheiras que nem um panda e humor nefasto.

Sunday, June 10, 2007

Dirty Deeds Done Dirt Cheap

If you're havin' trouble with your high school head
He's givin' you the blues
You wanna graduate but not in 'is bed
Here's what you gotta do -
Pick up the phone
I'm always home
Call me any time
Just ring
36 24 36 hey
I lead a life of crime
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Dirty Deeds and they're Done Dirt Cheap
You got problems in your life of love
You got a broken heart
(She's) He's double dealin' with your best friend
That's when the teardrops start - fella
Pick up the phone
I'm here alone
Or make a social call
Come right in
Forget about him
We'll have ourselves a ball
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Dirty Deeds and they're Done Dirt Cheap
If you got a lady and you want her gone
But you ain't got the guts
She keeps naggin' at you night and day
Enough to drive you nuts -
Pick up the phone
Leave her alone
It's time you made a stand
For a fee
I'm happy to be
Your back door man
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Dirty Deeds and they're Done Dirt Cheap
Concrete shoes, cyanide, TNT
Done Dirt Cheap
neckties, contracts, high voltage
Done Dirt Cheap
dirty deeds done dirt cheap
AHHH!

oh, boy...

"Get mad, then get over it."
Colin Powell

"Speak when you are angry and you will make the best speech you will ever regret."
Ambrose Bierce

Saturday, June 09, 2007

Today's fortune:

You are a person of culture.

°°°

reeeeeeeeeeaally?

Wednesday, June 06, 2007

mwahuahuahuahahahaha!!!

Não existe nada melhor pra animar seu dia do que ver que um ex seu tá namorando uma menina que parece uma empregada !
uhu!

Tuesday, June 05, 2007

MUDE!


"Já estamos quase no fim do ano. E você continua aí, do mesmo jeito, andando pelas mesmas ruas, girando as mesmas chaves para abrir as mesmas portas? Sentando nas mesmas cadeiras, ao lado das mesmas mesas, fazendo sempre as mesmas coisas? Com os mesmos amigos, os mesmos amores, a mesma visão do mundo? Com os mesmos medos e preconceitos? Abraçando as mesmas pessoas, tocando os mesmos corpos, com o mesmo jeito, os mesmos toques, e o mesmo estilo? A mesma instável estabilidade? Repetindo a mesma angustiante rotina? Onde está aquele projeto de Vida?! Onde está a coragem de mudar, a coragem de criar? Onde está aquele entusiasmo e aquela ousadia de outrora? Onde está aquela gostosura tão buscada? Onde estão aqueles sonhos todos?"

(Fonte: MUDE)

Monday, June 04, 2007

Um sonho. Uma ilusão. Um produto da imaginação de algum doido por aí. Uma chata de galochas. Uma quase personagem indigna de uma história. Um vestígio de uma vida passada. Uma pessoa comum. Uma ranzinza convicta. O mau-humor em pessoa. Uma cinéfila inveterada. Uma devoradora de livos. Uma bêbada de fins de semana. Uma dançarina descoordenada. Ninguém que valha a pena conhecer.

Sunday, June 03, 2007

So do I



Post Secret

See a secret, share a secret.

* * *

The thing is, she doesnt tell me back...

Friday, June 01, 2007

Delícia!


Olha o que o frio faz com certas pessoinhas..
Passou o dia inteirinho em casa, comigo.
E eu achando qeu era carência, rá!

AAARRGH!!



Tem horas que a dislexia incomoda demais.
Trocar as letras na hora de escrever alguma coisa já é normal, e é pra isso que o spell checker serve.
O problema é quando aparecem aquelas letras emboladas pra confirmar alguma coisa, aí eu erro.
SEMPRE.
Prefiro quando tem a opção de ouvir as letras (é, aquele desenho da pessoa na cadeira de rodas, handicap), porque só de olhar eu erro tudo.
Então, já vou logo avisando: pessoas que colocam essa porcaria pra checar comentários no blog, é melhor tirar, ou vão ter cada vez menos comentários meus. Coloca na opção de moderar comentários, sei lá, mas essa aí é sacanagem!
Saco.