Wednesday, February 28, 2007

Open your eyes


(Snow Patrol)

All this feels strange and untrue
And I won't waste a minute without you
My bones ache, my skin feels cold
And I'm getting so tired and so old

The anger swells in my guts
And I won't feel these slices and cuts
I want so much to open your eyes
Cos I need you to look into mine

Tell me that you'll open your eyes

Get up, get out, get away from these liars
Cos they don't get your soul or your fire
Take my hand, knot your fingers through mine
And we'll walk from this dark room for the last time

Every minute from this minute now
We can do what we like anywhere
I want so much to open your eyes
Cos I need you to look into mine

Tell me that you'll open your eyes

All this feels strange and untrue
And I won't waste a minute without you

Afinal,

Quem veio primeiro?
O omelete ou o galinheiro?

ATENÇÃO: Rinocerontes não sabem comer bananas

Em virtude das condições precárias das canetas homeopáticas, há pessoas que não conseguem enxergar com seus próprios olhos. Não quero, aqui censurar minha beldade intrínseca até porque a impressora só consegue roer quando o papa pisa em cima da mesa. Nem sempre os acontecimentos giram em torno do lítio, pois há fecundos tesouros emparelhados nas ferragens da cleptomania.

Não obstante, as coordenadas frutíferas estão em desacordo com os dinossauros burocráticos. Estes não se limitam ao endurecimento das eternas paredes de vidro. Não há um único remédio além desse!!! Apenas bolas. Como fazer então para restaurar o sacerdote das flores em desalinho?

A resposta parece simples, porém eu gosto de pizza. Não existe carrossel no ministério da cultura e nem jujuba nas andorinhas matinais. Tão pouco as verdades absolutas estão conjugadas à um abscesso no interior das melânias.

Gente, o que estou querendo dizer é que não há uma única fórmula que possa ser deduzida de todo esse processo. Há opiniões contraditórias e enxames de borboletas que não se apressam de desaguar em torrentes de limonada. Mas as pessoas ainda não acreditam em mim e pensam que sou uma paronóica. Não, sou apenas cortesias de um cinema pornô mal fadado à igonorância de outrem. Eu não aguento mais!!!! Chega!!! Ninguém me entende nesse mundo! Eu quero Paz!! Eu quero água!!! Eu quero sair por aí nas gangorras da praia e pagar um remédio para o som do trovão. Existe sim vida após o vibrador e não falo apenas nas histórias dos velhinhos, mas eu nunca fui à lua.

Mas as andorinhas continuam cheirando doses homeopáticas de fermento enquanto a seresinhos sem sentido nadam no citoplasma de algum lugar que acreditam ser um planeta, imaginando ser algum tipo de organela, um lisossomo ou ribossomo qualquer, mas não formam nem uma cadeia de RNA, são piores que os vírus que só se sentem vivos porque possuem o dom da reprodução. Alguns deles não querem ou não podem reproduzir, mas estão vivos, apesar de não terem sequer uma célula organizada, até porque há muito tempo não se organiza nada por ali e nem elétrons misturam-se a prótons. E todos sabem o quanto os nêutrons são sem graça. Daí ficam todos lá querendo culpar a sem vergonhice dos formigueiros, porque é público e notório que formigas não sonham, só existem por existir. Mas as formigas fazem acontecer, enquanto o cupim fica devorando livros e não sai do lugar, ou o mosquitinho chato que tanto quer luz que morre queimado. Certas são as aranhas porque elas sabem das coisas. E há muito tempo o pensador percebeu que tanto faz a cadeia alimentar já que quem usa a sabedoria dos cupins é devorado por sua própria gula eclesiástica.

E tudo continua sem sentido até porque o coelhinho está com pressa, muita pressa, mas não faz idéia de pra onde vai com tanta pressa, e todos ali que nadam naquela piscina cheia de estrume continuam usando relógios... Mas por que? Porque se nada disso existe e se no fim não será reproduzida uma voz sequer na ionosfera a não ser que venha em ondas. Ondas que vão e vem, ondas que afogam e emergem e vibram e no fim tudo leva a mesma coisa e tudo é nada então nada adianta para nada mesmo e só reta adaptar-se ao nada. nadar, nadar, nadar. Porque golfinhos são felizes, rinocerontes não, eles não aprenderam a comer banana... Eu acho queentendi, juro que sim. Pega a boia e enche de ar e foda-se tudo. Ninguém sabe o segredo da piscina, nem o do tamanho ínfimo dos que sonham em ser gente mas não passam de sujeito com complexo de Golgi.

Enfim... essa é a minha visão sobre o que aconteceu de tão terrível ontem pela manhã de hoje. Eu apenas quero me certificar das dentaduras que ficaram espalhadas pela morfina de diamante e ... ahh... não me peçam que eu conceda um minuto de arroz. Eu não suportaria tamanha falta de desidratação. Uma cueca de rocambole para todos e que jamais percam a matemática de Jesus, jamais digam que a concorrência interna substitui o ovo frito. Fiquem tesoura. Tchau.

Tuesday, February 27, 2007

Mais uma do papai

"Ó, avisa pra fulana desmarcar meus pacientes. Hoje é que dia, terça? Fala com ela pra marcar tudo na quinta."


A ficha dele ainda não caiu...


She plays guitar and cries and sings... la la la la laa

CESAR PARIS YARLEQUE
WOMAN CRYING, OIL ON CANVAS BOARD

Monday, February 26, 2007

Today's fortune:

Your luck has been completely changed today


E por falar em corações doentes, hoje foi a vez do meu pai. Tá lá no CTI sozinho, coitado. Infarto.
Pelo menos o bom humor continua.

"Nó, menina, me depilaram todim! Vô mandá fazê uma tanguinha de crochê pra mim!"

Só papai mesmo! Me fazendo rir numa hora dessa! hehehe

Friday, February 23, 2007

Thursday, February 22, 2007

Canarinho na área



- É, pai, agora você provou que gosta muito mesmo da gata. Comprou até ração especial!

- Rá rá.
- Mas falando sério agora, ele é meio feinho, né?
- É que ainda é filhote, depois que crescer fica bonito.
- E quando crescer vai aprender a cantar também? Esse piados estridentes são um saco, parece que ele tá morrendo.
- Já já ele aprende a cantar.
- Ah tá. É passarinho ou passarinha?
- Passarinho.
- E como chama?
- Ah.. Passarinho.

Today's fortune:

When winter comes heaven will rain success on you

vem ni mim, inverno!

Wednesday, February 14, 2007

Pesquisa revela que mulheres preferem comprar roupas a fazer sexo

Not this one here!

sour


Hoje é Valentine's day. Que coisa. Deve ser por isso que eu tô com esse humor azeeedo...

Ai Jisuis!

Mas então, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, eu quero muito ser a Meredith, mas eu não ligava NEM UM POUQUINHO de ser a Addison!!!!!

Embriagai-vos


É necessário estar sempre bêbado. Tudo se resume a isso, eis o único problema. Para não sentir o fardo horrível do tempo, que abate e faz pender a terra, é preciso que nos embriaguemos sem cessar. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, como achar melhor. Contanto que nos embriaguemos.
E se, algumas vezes, nos degraus de um palácio, na verde relva de um fosso, na desolada solidão do nosso quarto, você despertar com a embriaguez já atenuada ou desaparecida , pergunta ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, pergunta-lhes que horas são; e o vento, e a vaga, e a estrela, e o pássaro, e o relógio, hão de vos responder.
- É a hora da embriaguez! Para não ser martirizado pelo tempo, embriagai-te. Embriaga-te sem tréguas.
De vinho, de poesia, ou de virtude, como achar melhor.

Tuesday, February 13, 2007

Ah, esqueci de falar.


Além de emotional, eu perdi totalmente meu apetite. É, tô sem fome desde domingo. E como eu tô com bastaaaaaaaaante reserva adiposa, não deve fazer mal ficar sem comer por uns tempos.

Crying baby


Acho que esse bando de remédio me deixou totalmente boboca, emotional. Tô aqui de molho assistindo episódio atrás de episódio de Grey's Anatomy e chorando em todos eles.
Que é isso, minha gente?!?

Monday, February 12, 2007

cat-climber




Quero um troço desse!!

Romance de uma caveira



Eram duas caveiras que se amavam
E à meia-noite se encontravam
Pelo cemitério os dois passeavam
E juras de amor então trocavam.
Sentados os dois em riba da lousa fria
A caveira apaixonada assim dizia
Que pelo caveiro de amor morria
E ele de amores por ela vivia.
Ao longe uma coruja cantava alegre
Por ver os dois caveiros assim felizes
E quando se beijavam então fúnebres
A coruja batendo palma e pedia bis
Mas um dia chegou de pé junto
Um cadáver novo de um defunto
E a caveira pr'ele se apaixonou
E o caveiro antigo abandonou.
O caveiro tomou uma bebedeira
E matou-se de um modo romanesco
Por causa dessa ingrata caveira
Que trocou ele por um defunto fresco.

...and life goes on

Não melhorei, mas também não piorei. Vou ligar pra minha tia/médica daqui a pouco pra saber se é pra fazer alguma coisa.
Meanwhile, achei uma gracinha de coleção de smileys de geisha que agora será o oficial do blog.

Sunday, February 11, 2007

Today's fortune:

You are going to have a very comfortable old age


Se eu chegar lá, né...

e um bom final de semana pra você também

Depois de passar o final de semana todo de cama, com febre alta, sem conseguir dormir nem engolir saliva (saliva! imagina pra comer!), tomei benzetacil na busanfa e tylex goela abaixo.
Agora tô vendo até estrelinha...


Então, conheçam o meu mais novo amiguinho, o ABSCESSO PERIAMIGDALIANO:

O que é?

Algumas vezes, amigdalites de origem bacteriana (principalmente as tratadas de forma empírica, com antibióticos inadequados) se estendem profundamente, formando uma cavidade com secreção purulenta (abscesso) nos tecidos ao redor da amígdala. Dentro desta cavidade, a bactéria continua a se multiplicar (independente do emprego de antibiótiocos adequados)resultando em um aumento do volume desta secreção por distensão das estruturas vizinhas, que pode ser percebido pela assimetria (deslocamento até perto da úvula –“campainha”) das amígdalas afetadas.

O abscesso ao redor da amígdala requer a imediata atenção do médico, pois este pode se estender aos tecidos da região resultando em complicações potencialmente fatais.

Como se faz o diagnóstico?

Os sintomas mais comuns são a dor intensa da região amigdaliana, assimetria de um lado da garganta em relação à outra, dificuldade para abrir a boca (já numa fase adiantada do processo), alteração do timbre da voz, "ínguas" (linfonodos) no pescoço e algumas vezes febre, dor de cabeça e desconforto no ouvido do lado afetado.

Pode ocorrer gosto muito desagradável na boca e odor fétido se o abscesso estiver drenando parcialmente estas secreções. Eventualmente, pode ocorrer drenagem espontânea; porém, a espera desse evento é extremamente arriscada!

Como se trata?

Na prática diária, uma vez instalado o abscesso, a drenagem é o único tratamento efetivo. Antibióticos não irão reduzir suficientemente a proliferação das bactérias no interior do abscesso para erradicarem a infecção. A drenagem desta coleção purulenta pode ser feita em consultório ; porém, o ambiente hospitalar é recomendado pelas potenciais complicações deste ato cirúrgico!

O uso de antibióticos e anti-inflamatórios potentes torna-se fundamental para evitar complicações sistêmicas e auxiliar os tecidos afetados a voltarem à normalidade.

Fonte: ABC da Saúde

* * *

Não preciso nem falar que isso dói bagaray, né?
Minha tia/médica disse que se não melhorar até amanhã eu vou ter que drenar.
Boa sorte pra mim!

Fotos


As fotos das férias já estão disponíveis no Flickr.
Até que algumas prestaram :)

Saturday, February 10, 2007

Avon chama!



- Você faz o que?
- Sou Diretor de Marketing, Interconexões e Desenvolvimento de Novos Negócios.
- Ah tá.
- E você?
- Eu vendo Avon.

Friday, February 09, 2007

Quer aprender a fazer Risotto?

Antes de cozinhar risotto é preciso saber identificá-lo. A primeira regra básica é que risotto só pode ser feito com algumas variedades de arroz italiano – eles são ricos em um tipo específico de amido, a amilopectina, que dissolve com o cozimento formando um creme. Portanto, risotto de arroz agulhinha com creme de leite não é risotto!

Os tipos de arroz mais usados para fazer risotto são:

·Arbório, grãos perolados e gordos que produzem um risoto espesso;
·Vialone Nano, de grãos menores e mais resistentes, com menor concentração de amilopectina, produz um risotto com grãos mais duros e a liga mais rala
·Carnaroli, considerado por muitos o melhor de todos, possui a semente resistente e, ao mesmo tempo, uma grande quantidade de amilopectina, por isso produz um risotto bem cremoso com grãos bem firmes.

Risotto pode ser feito de praticamente tudo: queijos, legumes, aves, peixes, carnes e até frutas... Os ingredientes servem mais como complemento de sabor – a textura que prevalece é a do próprio arroz. Porém, alguns sabores, cores e combinações são clássicos:
·a la parmigiana, simples, branco, somente com queijo pamersão;
·a la milanese, com açafrão que tinge o arroz de amarelo;
·al porcini secchi (cogumelos secos) que dão ao risottoo tom e um sabor de terra;
·primavera, que traz ao prato o colorido das verduras da estação;
·al nero di seppia, que usa lulas e toda a sua tinta preta para dar um sabor marcante como a sua cor.

Veja também combinações clássicas que dão ótimos risottos:
·mussarela de búfala, tomate e manjericão;
·salmão fresco ou defumado e endro;
·gorgonzola, pêra e nozes;
·melão e presunto cru, entre vários outros.

Sugestão de uma receita bem facinha:

Risotto de abóbora e sálvia


Clique na imagem para ampliá-la


Ingredientes:

1 kg de abóbora
1 colher (sopa) de manteiga
10 folhas de sálvia
1,5 l de caldo de legumes
1 cebola pequena picada
2 xícaras (chá) de arroz arbório
1/2 xícara (chá) de vinho branco
4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
1. Pré-aqueça o forno a 180ºC (temperatura média). Unte uma assadeira, de preferência anti-aderente, com 1 colher (sopa) de azeite.

2. Lave a abóbora sob água corrente. Sobre uma tábua, descasque-a e corte ao meio, retire as sementes e as fibras e corte-a em cubos de 2,5 cm ou em triângulos como os da foto.

3. Numa panelinha, coloque a manteiga e leve ao fogo para derreter. Reserve.

4. Na assadeira, disponha os cubos de abóbora e pincele com a manteiga derretida. Tempere com sal e pimenta-do-reino e polvilhe com as folhas de sálvia. Leve ao forno preaquecido por 40 minutos.

5. Numa panela, coloque o caldo de legumes e leve ao fogo alto. Quando ferver, abaixe o fogo.

6. Em outra panela, coloque 1 colher (sopa) de azeite e leve ao fogo. Junte a cebola picada e mexa bem até ficar transparente. Acrescente o arroz e deixe cozinhar por 2 minutos, mexendo sempre. Adicione o vinho e mexa até evaporar. Coloque 1 concha de caldo de legumes e mexa bem. Quando o caldo secar, acrescente mais 1 concha e repita o procedimento até acabar o caldo. Junte a abóbora assada e os sucos que ficaram na assadeira e mexa bem. Por último, acrescente o queijo parmesão e misture bem. Sirva a seguir.

NHAM!

Ó dúvida crueeel!

Não sei se tenho mais sono ou fome.
Difícil.

Wednesday, February 07, 2007


Não fui eu, foi meu Eu lírico!